“Diz que é cria, mas”: moradores da Rocinha relembram os bons tempos da favela

Uma nova brincadeira tem agitado as redes sociais em todo o país. Escrever “diz que é cria, mas” fazendo referência a um lugar e hábitos peculiares, está movimentando a memória nostálgica das pessoas. E na Rocinha não é diferente.

Teve morador relembrando o Baile da Curva do “S” que era realizado na extinta garagem da viação Amigos Unidos e o inesquecível Baile da Coca Cola. Para quem curte Carnaval, Cheila Oliveira, comentou a importância de desfilar no Império da Gávea. Os moradores mais antigos também falaram da escola pública Waldemar Falcão. O morador Jonny Conceição mencionou os tempos de golzinho com caixote no Largo do Boiadeiro após a feira dominical. Segundo ele, há 30 anos era raro ver uma motocicleta circulando pela favela. Com o crescimento da circulação de motocicletas, o futebol se encerrou de vez.

E você? Qual a sua lembrança de cria?

Separamos alguns posts para os leitores:

Faça um comentário