Estação São Conrado do metrô terá saída com nome da Rocinha

A estação São Conrado da linha 4 do Metrô terá uma das saídas com o nome Rocinha

, conforme divulgou com exclusividade a Secretaria Estadual de Transportes (SETRANS) para o Fala Roça.

O tema é polêmico e ganhou destaque nas redes sociais na última semana, quando moradores da Rocinha se uniram para mudar o nome da estação São Conrado para Rocinha/São Conrado. Uma petição pública foi criada na Internet e já conta com mais de 500 assinaturas. Quando alcançar 1 mil assinaturas, o documento será entregue para a SETRANS. Segundo a assessoria de comunicação do Metrô Linha 4, a nomeação da estação é uma decisão de governo.

Na petição, assinada pelo Museu Sankofa Memória e História da Rocinha, o grupo diz que “possui documentos, em seu acervo, que registram a história do bairro da Rocinha desde os anos 20 do século passado. Repleta em costumes, hábitos e tradições de uma comunidade que foi se transformando ao longo de várias gerações. A fim de que se reconheça essa tradição, reivindicamos que o nome da estação inclua o nome do bairro, pois entendemos que os mais velhos a ocupar a região mereçam ser igualmente homenageados”.

Obras na Estação São Conrado estão concluídas. (Foto: Henrique Freire)

Obras na Estação São Conrado estão concluídas. (Foto: Henrique Freire)

Outro ponto abordado no abaixo-assinado é a proximidade da estação com a Rocinha. Segundo um dos integrantes do Museu Sankofa, Fernando Ermiro, a ideia não é excluir o bairro de São Conrado, mas ao contrário, a renomeação da estação é um ato de integração entre favela e asfalto. “Rocinha e São Conrado dividem o mesmo espaço geográfico, protagonizam a diversidade da sociedade brasileira e ambos devem ser igualmente representados”, explica ele.

Para a moradora da Rua 2, na Rocinha, Edna Araujo, 32 anos, houve falta de diálogo do governo com os moradores da Rocinha. “Não gostei dessa nomeação porque deveriam ter feito uma votação para os moradores escolherem o nome, o governo precisa ter o mínimo de respeito pra nós que moramos aqui”, critica ela.

Uma das entradas da estação São Conrado foi construída no local onde antigamente era conhecido como Bica das Almas. Segundo os antigos moradores da Rocinha, ali existia uma fonte de água, utilizada pelos moradores no passado, quando o abastecimento de água era precário na favela.

O estudante Lucas Pablo, 27 anos, mora na Rocinha e aprova a petição. “É importante empoderar de informação e valorizar a identidade do morador de favela pra que ele possa sentir que pertence a cidade e a cidade também pertence a ele”, diz.

Procurada durante uma semana sobre a petição pública, a Associação de Moradores e Amigos de São Conrado (AMASCO) não respondeu até o fechamento dessa matéria.

Colaborou Beatriz Calado

Faça um comentário